21 NOV, 21h@GNRATION 

O Arquiteturas Film Festival Lisboa é o primeiro festival internacional, em Portugal, a exibir documentários, cinema experimental, animação e ficção sobre arquitectura. O Festival celebra o encontro entre o cinema e a arquitetura, focando-se no crescente interesse global pela perspectiva interdisciplinar no contexto da arquitectura contemporânea, e concentrando-se em trabalhos fílmicos que exploram o diálogo permanente entre cidade, espaço e narrativa. Serão exibidas pela primeira vez em Braga as curtas metragens portuguesas premiadas nas categorias de documentário e ficção nacional e internacional.

bicicleta

MELHOR CURTA NACIONAL: FICÇÃO
Bicicleta – Luís Vieira Campos, Portugal (2014) 45'
O bairro do Aleixo, no Porto, é um lugar de mitos onde a sociedade tende a radicar problemas de sete cabeças. No entanto, para tantos que lá vivem, o bairro ergue-se como um lar, o lar de sempre, posto ali ao pé do rio, as vistas largas e generosas, sem maior sobressalto. Bicicleta parte do conceito de vizinhança e de família, a sobrevivência definida por princípios de alteridade que, no cenário de um bairro tão mitificado, ocorrerá com a naturalidade inevitável ao ser humano. É um filme sobre o lado popular da vida, essa partilha de um espaço que se vai imiscuindo no quotidiano de cada um, criando uma interdependência que propaga notícias e cria situações tanto dramáticas quanto divertidas.

 

the-singer-725x407

MELHOR CURTA INTERNACIONAL: FICÇÃO
The Singer – Rafael Navarro Minon, Spain (2013) 22'
Pepa e Rafael estão casados há 40 anos.

 

rua-da-estrada-482x725

MELHOR CURTA NACIONAL: DOCUMENTÁRIO
Rua da Estrada – Graça Castanheira, Portugal (2012) 24'
Em “A Rua da Estrada” percorrem-se as estradas nacionais, com a sua muito peculiar paisagem – sismógrafo do tempo que passa. Lida pelo olhar avisado do geógrafo Álvaro Domingues, uma viagem por Portugal, tal qual é.

 

white_chumney-725x543

MELHOR CURTA NACIONAL: DOCUMENTÁRIO
White Chimney – Jani Peltonen, Finland (2014) 24'
Verão eterno. Juventude eterna. A utopia do novo ser humano. O Parque Florestal de Aulanko sempre foi o lugar onde podemos ver as ideias e os estilos predominantes. É também um lugar para onde o turismo de massa finlandês expandiu. Em 1938 o Hotel Aulanko abriu as suas portas. Foi construído de uma forma funcional e rapidamente se tornou o local de eleição para a alta sociedade da época. No final do verão de 1939, apenas um mês antes do início da segunda guerra mundial, uma festa chegou ao hotel. Um dos membros do festa tinha dezenove anos de idade, a emergente atriz Sirkka Sari. O que lhe aconteceu? O que nos aconteceu?

Uma parceria com o Arquiteturas Film Festival Lisboa

arq cartaz